segunda-feira, 26 de novembro de 2012

À contramão das impossibilidades


“Aguardo no Senhor; a minha alma o aguarda, e espero na sua palavra”- Salmo 13; 6

   Imagino que algumas pessoas, por conseqüência de muitas situações, pensam que nasceram mesmo para sofrer, ou talvez acreditem que Deus já não mais se lembra deles. Mais quando observo este texto, percebo que na verdade o que acontece é que desistir torna-se mais fácil do que continuar. Quando alguém para no meio do caminho a sensação que se tem é de conformismo, e a conformidade é como um travesseiro que nos é oferecido num caminho de dificuldades.
   Certa vez ouvi que na vida de um cristão não há estacionamento, quem para de crescer, de conquistar e de subir uma hora vai ter que descer, e isso porque estacionaram no lugar da conformidade, onde a placa diz: “Descanse”. Agora quando se fala em continuar, confiar, esperar, o travesseiro dá lugar a pedra, e quem disse que colocar a cabeça na pedra é confortável? Pelo contrário isso significa que esperar é difícil, mais colocar a cabeça na pedra é necessário para se continuar.  
    Jacó continuou porque colocou sua cabeça na pedra, è nesta hora que descobrimos que “nem todo sonho é confortável”, a princípio vai parecer impossível e doloroso mais depois virão as conquistas. Aprender a sonhar não é desistir de lutar, e sim, enxergar a vitória. Jacó sonhou com os céus, edificou riquezas e família, mais a sua maior conquista foi o abraço do irmão, depois de longos anos de fuga. (Gn 32/33)

sábado, 24 de novembro de 2012

Tomando posse da espada do gigante


Texto base: I Samuel 17;48-51
"Pelo que correu Davi, e pôs-se em pé sobre o gigante, e tomou a sua espada, e tirou-a da bainha; e o matou..."
  A vida de Davi nos ensina grandes verdades, princípios que nós devemos carregar pelo resto de nossas vidas. Um dos grandes ensinamentos, na vida deste grande homem é, sem dúvida alguma, a vitória que ele obteve sobre o gigante Golias. Naquela ocasião Davi estava a enfrentar o maior desafio de sua vida, um inimigo treinado para matar. A visão que se declara sobre esse texto para nossas vidas é algo impactante e surpreendente, um forte ensinamento que precisamos conhecer a fundo.
    O gigante era o maior desafio que o povo de Israel estava a enfrentar, o fato era que não havia naquele campo de batalha que pudesse enfrentar o gigante, derrubar o problema, até o instante que entra em cena o jovem Davi, que como instrumento de Deus se dispõe a guerrear. “Naquele dia Davi chega ao arraial como entregador de comida e sai como herói”. 
    Algo interessante é que Davi não só derruba o gigante, ele corta a sua cabeça com a própria “espada do gigante”, e dentro de uma visão profética isso significa chegar ao lugar onde ninguém jamais te enxergou, é, também, alcançar o lugar onde deus já te enxerga. Quem imaginaria que um simples coadjuvante chegaria a derrubar o gigante, se colocando de pé sobre o corpo do inimigo caído? Ninguém, verdadeiramente ninguém. 

sábado, 17 de novembro de 2012

Proclamando o melhor de Deus sobre a minha vida


   "E tudo o que ligares na terra serás ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus". Mt. 16;19

  A palavra de Deus nos diz “clama a mim e responder-te-ei e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes, que não sabes” (Jr. 33.3).  Um clamor profético quando levantado com um propósito traz a tona o reino dos céus, revelando o melhor de Deus sobre a vida daqueles que vivem em prol do reino, que compreendem a vontade e as promessas do Senhor sobre o seu povo.
   Quando levantamos um clamor precisamos levar em consideração três aspectos importantes. O Caráter de quem ora; A sinergia entre céus e terra, ou seja, a ligação, o alvo da oração; e A identificação com o Pai, que é na verdade a entrega voluntária a Deus, as primícias.
    No último dia 15 vivemos um dia muito especial, o cumprimento de uma promessa do Senhor para nossas vidas, um sonho que alguns anos atrás foi decretado pelo Senhor e que foi concretizado, um ministério de excelência. Um dia pedi ao Senhor que Deus trouxesse sobre a minha vida uma unção de liderança, e depois de alguns anos o anúncio de grandes coisas sobre a minha vida foi declarado.  

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

As marcas da Opressão: A perda de uma Identidade

Texto base: Lucas 8;26-39

 A palavra identidade tem origem no latim do latim “identitas” o conjunto das características e dos traços próprios de um indivíduo. Também é a consciência que uma pessoa tem dela própria e que a torna em alguém diferente das outras. Neste sentido, a identidade está associada a algo próprio, uma realidade interior que pode ficar oculta atrás de atitudes ou comportamentos que, na realidade, não são próprios da pessoa. 
   No livro de Lucas encontramos uma narrativa muito forte e impactante, a descrição da libertação de um homem que por muito tempo estava aprisionado. Um homem que possuía todos os sintomas de fracasso e que aparentava marcas internas e externas de uma profunda opressão, alguém que já não tinha mais nenhum reflexo da identidade que um dia ele possuiu. 
   Aquele homem com certeza tinha uma vida normal como qualquer outro homem do seu tempo, ele deveria ter uma família, esposa e filhos, casa, trabalho e amigos. Porém tudo arruinado pelas marcas de uma opressão, um estado de crise onde as emoções, razão e a força são controladas pelo inimigo. A situação na vida daquele homem era tão grave que ele tinha perdido até a sua identidade. Para os outros e para a sociedade ele se chamava endemoninhado, e quando Jesus lhe pergunta pelo sue nome, ele responde: Legião. 
   A perda de sua identidade revelava, também, perda dos seus sonhos, dos valores, da liberdade, dos vínculos afetivos a perda do direcionamento em Deus. Tudo havia sido tragado pelos sintomas da opressão. Em certa ocasião fui chamado para visitar uma pessoa que aparentava um nível de profunda opressão, e percebi naquele dia a dimensão do cativeiro que existe na vida de alguém que passa por esta situação.     

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Aprendendo a dizer não a tudo aquilo que não edifica


   Jesus certa vez discursando para a multidão disse: “buscai em primeiro lugar o reino de Deus e as demais coisas vos serão acrescentadas”. Mas para algumas pessoas este princípio não se faz realidade na sua vida! E porque para alguns o reino não se torna prioridade? 
   A resposta está nas escolhas erradas! Jesus disse que o reino de Deus era semelhante a certo rei que celebrou as bodas de seu filho, uma grande festa a ser celebrada e um grande convite a ser entregue. O rei convidou as pessoas, e elas não quiseram ir, enviou servos para convidá-los mais uma vez, e da mesma forma eles disseram não, fizeram caso, escolhendo o brilho dos seus próprios interesses. 
  As escolhas erradas levam o homem a fracassos inesperados, porém reais, situações de extrema dor. Na parábola de Mateus 22 aqueles que disseram não para o reino e sim para suas escolhas acabaram mortos, em outra linguagem, fracassados, empobrecidos e acima de tudo longe do melhor de Deus. Jesus encerra este ensinamento dizendo que muitos são chamados, mas poucos os escolhidos.